Nossa Senhora de La Salette

A Virgem Maria na Congregação dos RSV

Nossa Senhora das Vitórias

Honraremos de modo todo especial a Bem-aventurada Virgem Maria, que ocupa um lugar único no projeto de Deus.

Na nossa Congregaçao, a devoção marial é considerada como uma preciosa herança do Padre Le Prevost e de nossos primeiros irmãos. Alimentando esta devoção nas verdadeiras fontes de fé, invoca­remos Maria sob os títulos de Reconciliadora dos pe­cadores e de Mãe do Bom Conselho.

Nossa Senhora de La Salette em nossa história

chapelle

No momento em que a Virgem Maria se manifestava na montanha de La Salette a duas crianças, no dia 19 de setembro de 1846, os primeiros Irmãos de São Vicente de Paulo, o fundador Jean-Léon Le Prevost e os Irmãos Clément Myionnet e Maurice Maignen, começavam a sua missão de evangelização dos operários e dos pobres.

Convencido de que a aparição de La Salette era uma confirmação do carisma da Congregação nascente, o Sr. Le Prevost prometeu à Virgem Maria de edificar um santuário em sua honra e construiu, dez anos depois, em 1856, o Santuário Notre-Dame de La Salette em Paris. As origens da Congregação e a história maravilhosa do Santuário são, praticamente, contemporâneas às aparições de Nossa Senhora na montanha de La Salette.

A capela Nossa Senhora de La Salette foi o primeiro santuário construído em Paris como lembrança da aparição da Virgem Maria aos pequenos pastores.

A primeira pedra foi posta no dia 21 de novembro de 1856. A bênção e a inauguração foram realizadas no dia 18 de setembro de 1858. Ampliada em 1886, ela conservou a seus traços iniciais (sua arquitetura inicial). Hoje, nela se encontram os túmulos do Venerável Jean-Léon Le Prevost e do Servo de Deus Padre Henri Planchat, fuzilado durante a Comuna de Paris no dia 26 de maio de 1871, na rua Haxo.

 

Visita detalhada do santuário de Paris

 

Maximin e Mélanie e a primeira aparição

Notre Dame de la Salette

Os dois pastorinhos – Maximin Giraud e Mélanie Calvat – tiveram uma visão da Virgem Maria numa montanha perto de La Salette, França, a 19 de Setembro de 1846, por volta das três horas da tarde. Fazia muito sol.

Maximin Giraud e Mélanie Calvat haviam recebido apenas uma muito limitada educação.

A aparição consistia em três fases diferentes. As crianças viram, numa luz resplandecente, uma bela dama em um estranho costume, falando alternadamente em francês e no dialeto local[1] do occitano[2] . Ela estava sentada sobre uma pedra, e as crianças relataram que a “Belle Dame” estava triste e chorando, com seu rosto descansando em suas mãos. A Bela Senhora pôs-se de pé. E disse: “Vinde, meus filhos, não tenhais medo, aqui estou para vos contar uma grande novidade!

Se meu povo não se quer submeter, sou forçada a deixar cair o braço de meu Filho. É tão forte e tão pesado que não o posso mais.

Notre Dame de la SaletteHá quanto tem
po sofro por vós.

Dei-vos seis dias para trabalhar, reservei-me o sétimo, e não o querem conceder! É isso que torna tão pesado o braço de meu Filho.

E também os carroceiros não sabem jurar sem usar o nome de meu Filho. São essas as duas coisas que tornam tão pesado o Seu braço.

Se a colheita for perdida a culpa é vossa (…) Orai bem, fazei o bem.

Se a colheita se estraga, e só por vossa causa, Eu vo-lo mostrei no ano passado com as batatinhas: e vós nem fizestes caso! Ao contrário, quando encontráveis batatinhas estragadas, blasfemáveis usando o nome de meu Filho. Elas continuarão assim e, neste ano, para o Natal, não haverá mais.

Então, as crianças descem até a Bela Senhora. Ela não parava de chorar. Segundo os relatos das crianças a Senhora era alta e toda de luz. Vestia-se como as mulheres da região: vestido longo, um grande avental, lenço cruzado e amarrado às costas, touca de camponesa. Rosas coroavam sua cabeça, ladeavam o lenço e ornavam seu calçado. Em sua fronte a luz brilhava como um diadema. Sobre os ombros carregava uma pesada corrente. Uma corrente mais leve prendia sobre o peito um crucifixo resplandecente, com um martelo de um lado, e de outro uma torquês. Assim a Bela Senhora falou em segredo a Maximino e depois a Melânia.

E novamente, os dois em conjunto ouvem as seguintes palavras: “Se converterem, as pedras e rochedos se transformarão em montões de trigo, e as batatinhas serão semeadas nos roçados” E a Bela Senhora conclui, não mais em patois, e sim em francês: “Pois bem, meus filhos, transmitireis isso a todo o meu povo.” Terminou assim a aparição. Segundo as crianças ela andava, mas as plantas de seus pés não esmagavam a relva, quase não dobravam os talos. Mélanie correu e a contemplou de novo lá no alto. E depois, segundo ela, viu o rosto e a figura da Senhora desaparecendo à medida que a luminosidade aumentava.

A mensagem de La Salette

Em sua aparição em La Salette, Nossa Senhora deixou uma mensagem que diz muito da realidade que vivemos em nosso tempo.

A mensagem de Nossa Senhora de La Salette

Nossa Senhora de La Salette

Nossa Senhora confiou uma mensagem aos videntes Maximino Giraud e Mélanie Calvat, em sua aparição em La Salette, na França, em 19 de Setembro de 1846. No início da aparição, ambos viram a Santíssima Virgem sentada sobre uma enorme pedra. Ela tinha o rosto entre as mãos e chorava amargamente. As duas crianças foram até a Bela Senhora, que não parava de chorar. A Virgem Maria explicou a Maximino e a Mélanie que chorava pelos pecados da humanidade e que deveríamos rezar para que o braço de seu Filho Jesus não pesasse sobre a Terra. Além, da mensagem, confiada aos dois videntes, pedindo oração e penitência pela humanidade, a Mãe de Deus confiou a Mélanie um segredo, que deveria ser revelado somente em 1858. Em 1852, o Papa Pio IX aprovou a aparição e reconheceu a origem celeste da mensagem. O Papa Leão XIII também reconheceu e apoiou a mensagem de La Salette e o Papa João Paulo II considerou-a como “o coração das profecias de Maria”.

Num primeiro momento, Nossa Senhora fala da infidelidade de muitas almas consagradas a Deus: “Os sacerdotes, ministros de meu Filho, pela sua má vida, sua irreverência e impiedade na celebração dos santos mistérios, pelo amor do dinheiro, das honrarias e dos prazeres, tornaram-se cloacas de impureza. Sim, os sacerdotes atraem a vingança e a vingança paira sobre suas cabeças. Ai dos sacerdotes e das pessoas consagradas a Deus, que pela sua infidelidade e má vida crucificam de novo meu Filho! Os pecados das pessoas consagradas a Deus bradam ao Céu e clamam por vingança. E eis que a vingança está às suas portas, pois não se encontra mais uma pessoa a implorar misericórdia e perdão para o povo. Não há mais almas generosas, não há mais ninguém digno de oferecer a vítima imaculada ao [Pai] Eterno em favor do mundo”1.

Depois, a Virgem Maria profetiza sobre a família e a sociedade e quais os males que se seguirão. Destas profecias, apresentamos aquelas que são mais significativas e que dizem respeito também ao nosso tempo: “Os chefes, os condutores do povo de Deus negligenciaram a oração e a penitência. E o demônio obscureceu suas inteligências. Transformaram-se nessas estrelas errantes, que o velho diabo arrastará com sua cauda para fazê-las perecer. […] Os maus livros abundarão sobre a Terra, e os espíritos das trevas espalharão por toda parte um relaxamento universal em tudo o que se refere ao serviço de Deus. […] Deus vai golpear de modo inaudito. Ai dos habitantes da Terra. Deus vai esgotar sua cólera, e ninguém poderá fugir a tantos males acumulados. […] Toda ordem e toda justiça serão calcados aos pés. Não se verá outra coisa senão homicídios, ódio, inveja, mentira e discórdia, sem amor pela pátria e sem amor pela família. […] Os governantes civis terão todos um mesmo objetivo, que consistirá em abolir e fazer desaparecer todo princípio religioso para dar lugar ao materialismo, ao ateísmo, ao espiritismo e a toda espécie de vícios. […] Os maus estenderão toda sua malícia. Até nas casas as pessoas matar-se-ão e massacrar-se-ão mutuamente. […] Os justos sofrerão muito. Suas orações, sua penitência e suas lágrimas subirão até o céu e todo o povo de Deus pedirá perdão e misericórdia. E pedirá minha ajuda e intercessão”2.

A aprovação da Igreja

Notre Dame de la SaletteEsta Aparição da Virgem Santíssima em França foi reconhecida e aprovada pela Igreja, em 1851. O texto dos Segredos não foi incluído neste Aprovação, já que foram divulgados posteriormente a esta data. O Bispo de Grenoble, a que pertence La Salette, encarregou dois teólogos da investigação da Aparição e de todas as curas registadas. Durante cinco anos fizeram minuciosas investigações.

Em toda a França, aproximadamente em oitenta lugares diferentes, os bispos encarregaram sacerdotes que investigassem as Curas Milagrosas através das orações a Nossa Senhora de La Salette e da água da fonte. Centenas de Graças foram registadas. O Santo Padre Pio IX aprovou a devoção a Nossa Senhora de La Salette. Pediu aos jovens que lhe enviassem o relato dos segredos por escrito. Tempo depois dirá o Santo Padre Pio IX: “Estes são os segredos de La Salette; se o mundo não se arrepender, perecerá”.

Estas são as Palavras do Papa João Paulo II, sobre La Salette: “Neste lugar, Maria, a Mãe sempre amorosa, mostrou sua dor pelo mal moral causado pela humanidade. Suas lágrimas nos ajudam a entender a gravidade do pecado e a rejeição a Deus, enquanto manifestam ao mesmo tempo a apaixonada fidelidade que Seu Filho mantém com relação a cada pessoa, embora Seu amor redentor esteja marcado com as feridas da traição e do abandono dos homens.” – 4 – MensagemdeLaSalette.doc Várias congregações foram fundados pela inspiração de La Salette, entre as quais os Missionários e as Irmãos de Nossa Senhora de La Salette, qu

 

O Santuário sobre a Montanha

No dia 1º. de maio de 1852 Dom Felisberto de Bruillard publica novo mandamento, anunciando a construção de um santuário sobre a montanha de La Salette, e a criação de um grupo de missionários diocesanos a quem dá o nome de “Missionários de Nossa Senhora da Salette”. E acrescenta:- “A Santa Virgem apareceu em La Salette para o mundo inteiro, quem disso pode duvidar?”. O futuro irá confirmar e ultrapassar estas expectativas, assegurado o elo de ligação. Pode-se pois dizer que Maximino e Melânia cumpriram sua missão.

Se encontra no coração da montanha, a 1800 metros de altitude, nos Alpes franceses. O santuário e a Hospedaria foram confiados pela Diocese de Grenable a Associação dos Peregrinos de La Salette. Os Missionários e as irmãs de Nossa Senhora da Salette asseguram sua animação e funcionamento. O dia-a-dia é tomado pela Eucaristia e os Ofícios da Manhã e da Tarde, vigílias e procissões, terço e via-sacra… sem esquecer a oração silenciosa sempre possível na montanha ou nos oratórios.

Links externos

Leituras e filmes recomandados

Mensagem: http://www.amen-etm.org/MensagemdeLaSalette.pdf

Filme: https://gloria.tv/media/jztezFuoGYN

Message du Père Bertin Sanon, Supérieur général des Religieux de St-Vincent de Paul, à l'occasion de l'anniversaire de fondation.C'est à Paris, le 3 mars 1845, devant la châsse de saint Vincent de Paul, que le Vénérable Père Jean-Léon Le Prevost fondait, avec l'aide du Frère Clément Myionnet et du Frère Maurice Maignen - tous les trois membres de la SSVP, - l'Institut des Frères de St-Vincent de Paul voué à l’évangélisation des familles, des jeunes et des ouvriers des milieux populaires.Rendons grâce à Dieu pour les 173 ans de notre Famille religieuse !

Santuário de Paris

Em 1856, Jean Léon Le Prevost fez construir em Vaugirard perto de Paris um pequeno santuário em honra de Nossa Senhora de La Salette.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest